Post Top Ad

Montanha Louca, um Livro que te inspira para uma nova realidade

Livro Montanha Louca de Flavia Mariana KLC
Esta foto foi tirada precisamente em um dia maravilhoso; no dia 31 de Maio de 2012 na casa da Flavia, na Montanha...

Flavia Mariana KLC é uma mensageira do seu tempo. Já estudou música, teatro, medicina, jornalismo e história... e quando me deparei com a sinopse do seu Livro Montanha Louca, não conseguia parar de ler. A verdade é que não lia algo assim desde o Guia do Mochileiro das Galáxias.

Abaixo, um tiquinho do livro e muita inspiração:
Livro Montanha Louca de Flavia Mariana KLC
"Por ser a primeira construção foi batizada como: Cozinha Um. Representava um quase monumento histórico, nela ficariam guardadas as memórias, histórias, reticências, aromas, receitas e confissões. Lá se comentavam os triunfos e agruras de cada habitante, onde toda manhã se contavam os sonhos que haviam sonhado na noite anterior. Naquele tempo bem caberia o título de Cozinha dos Sonhos.
Também por lá transcorreram as apresentações. Quando chegou à minha vez de apresentar, me vi que não seria nada fácil ressumir os vinte e cinco anos transcorridos até aquele momento, todos aqueles amores, países, vidas que tinha deixado para trás para me fundir com esta crosta mesozoica, para fazer parte deste corpo, para ser mais um soldado deste exército, uma peça deste quebra-cabeça, uma montanha cobaia, um nada e um tudo! Yo Flavia Mariana Klc, nascida 3/3/às tantas horas, filha de Checo-eslovacos (Judeus) com Espanhóis e Italianos do Sul (Mouros), fui uma atriz do grupo do Juan, estudante universitária, comerciante do ramo vitivinícola, gerada na Montanha Plateada dos Andes Mendocinos e parida na Metrôpole fedorenta que tem por nome próprio o de Santa Maria de Los Buenos Aires. Enquanto fazia teatro na cidade e aprimorava meus programas para levá-los ao apogeu, uma ideia crescia dentro de mim, seduzida pelas histórias do Juan sobre uma pequena cidade de pedras encantada encravada no topo de uma das Montanhas das Minas Gerais, a ideia cobrava uma forma, iria me embrenhar pelas selvas do Brasil (no fabulário argentino o Brasil era como os filmes do Tarzã). Decidi largar a vida das certeza e embarque rumo à São Paulo com uma mala de livros e outra de roupas que minhas amigas teriam jogado no lixo por medo de doá-las.

Escutei com atenção cada uma das suas histórias, relatos fabulosos, diários mínimos, detalhes destas Vidas como que retiradas do resto do Mundo. Se entendi bem, todos tinham deixado suas antigas propriedades, identidades, estabilidades nalgum lugar longe ou perto dali, mas que não era ali. Tinham largado tudo para estar aí, nesse momento, para criar o mundo de novo, um novo mundo onde nada de mau poderia acontecer. Nos parâmetros das suas crenças, na medida de suas capacidades, ao abrigo das Candeias e Congonhas e Estrelas do Serrado sem nada e nem ninguém para atrapalhar, testemunhar ou interferir, livres para viver todas suas vidas possíveis.
Quando finalmente aquela construção primeira teve sua porta nela, escreveram:
Você abriu? Feche! Acendeu? Apague! Ligou? Desligue! Esta usando algo? Trate com carinho! É de graça? Não desperdice! Não lhe perguntaram? Não dê palpite! Quebrou? Conserte! Não sabe consertar? Chame quem ajude! Não lhe diz respeito? Não se intrometa! Desarrumou? Arrume! Sujou? Limpe! Não veio para ajudar? Não atrapalhe! Ofendeu? Peça desculpas! Seguindo estas regras viverás melhor.

Logo que o Sol saísse completamente, quero dizer o círculo inteiro desenhado no horizonte, tomavam café perto do fogo. As pedras eram brilhantes, pareciam piscar de luzes dependendo do ângulo e a hora do dia, era uma atividade intensiva o dia inteiro e também um parlatório, todos traziam suas histórias para contar, uns recolhiam lenha, outros procuravam alimentos, outros os manipulavam. Tanta felicidade e envolvimento começou a chamar atenção das crianças, que naquele tempo eram "soltas" e começaram a se aproximar como abelhas das flores, espontaneamente.

Um dia o maior deles, o que falava mais, trouxe quatro folhas sulfite datilografadas, um conto:
O dia que Marta Lopes se sentou no meio da Praça; deste conto surgiu A Iluminada um conto maior que eu escrevi. É a minha memória mais antiga."

Com esse trecho você já tem uma ideia do estilo de leitura!

Flavia conheceu o Mestre Juan no Teatro em Buenos Aires... Aprendeu a desaprender tudo isso e a se reconectar com a fonte.

Pode até parecer um "romance", mas se trata de uma realidade forma harmoniosa de viver.
Um livro para te inspirar e fortalecer como Ser.

Super indico!


O E-book Montanha Louca você adquiri direto com a Flavia Mariana KLC:
flaviaklcplanetas@gmail.com



Artigo e Pesquisa: Binha Martins
Foto: Mayara Martins
Menção Especial: O Guia do Mochileiro das Galáxias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário

Post Top Ad

Visite nosso Instagram